rioEste site de estudos bíblicos, online desde 2007, pretende abordar algumas visões de diversos aspectos e temas da vida diária do cristão – como fé, evangelismo, trabalho, dízimo, casamento, igreja – procurando interpretá-los à luz da Bíblia e frente os valores da sociedade contemporânea. A leitura e o estudo da Palavra de Deus proporcionam crescimento espiritual, paz e felicidade, capacitando-nos para a nossa missão. Na Bíblia encontramos a solução para os dilemas que a simples sabedoria humana não seria capaz de responder. Vazios interiores preenchidos somente pela fé. Como recomenda o Apóstolo Paulo ao seu discípulo e amigo Timóteo: “torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza. Até à minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino. Medita estas coisas e nelas sê diligente, para que o teu progresso a todos seja manifesto. Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Continua nestes deveres; porque, fazendo assim, salvarás tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes.” (I Timóteo 4:12-13,1-16)

O que é ser um missionário do cotidiano?

mapaAbrindo um mapa vemos tantos países, tribos, nações que nunca ouviram falar de Cristo e isto nos comove. Sentimos uma vontade imensa de partir para longe, levando a Boa Nova a toda gente. Entretanto, nem para todos este é o plano de Deus. Ao nosso redor existem muitas pessoas sedentas da Sua Verdade. Algumas vezes, ignorarmos isto é apenas uma fuga para a missão que se apresenta aqui e agora, enquanto nos contentamos em sonhar com o dia em que poderemos fazer algo pela propagação do Evangelho. Mais importante do que dedicar a vida a missões é obedecer à vontade do Senhor, cumprir o Seu propósito para nós aqui na terra. A maior lição que o professor ensina é o exemplo. O bom médico cura o corpo, mas os melhores visam também a cura da alma. O pescador de peixes aprende a ser pescadores de homens. O engenheiro que ergue pontes constrói templos. O porteiro caloroso em seu cumprimento alegra a manhã do dia de trabalho que se inicia. A mãe zelosa produz nova geração abençoada. O salário do dizimista fiel sustenta igrejas e missões. Existem inúmeras maneiras simples de fazer missão e honrar a Deus. Quantos necessitados de alma cruzam nosso caminho? Algumas vezes, como profissionais, Deus nos coloca em lugares onde um missionário não teria oportunidade de estar, acessando aqueles que não se disporiam a ouvir um pastor ou pregador, mas sim a um amigo, um colega de trabalho, um vizinho. Por nós passam diariamente centenas de pessoas que podem ser tremendamente impactadas pelo nosso testemunho, pela eloquência do que falamos sem som algum, numa época em que até mesmo os crentes às vezes falam demais e vivem de menos. O mundo precisa de pessoas comuns pregando a Boa Nova com os seus frutos, fazendo valer a fé que proclamam, realmente praticando o cristianismo em sua essência. Existe muita missão no dia a dia, podemos ser missionários em meio à rotina. A alguns Deus concede o privilégio de irem a povos longínquos pregar a sua Palavra, a outros, igualmente privilegiados, Ele usa como instrumento para salvar os que estão longe da sua presença, mesmo quando tão pertos dos que a desfrutam. Apesar das nossas muitas fraquezas e falhas, da nossa condição humana imperfeita e miserável, todos nós somos pescadores de homens, instrumentos nas mãos do Senhor aqui na Terra. Advogados, administradores, arquitetos, engenheiros, funcionários públicos, balconistas, donas de casa, pastores, aposentados, estudantes… cada um de nós precisa pregar o Evangelho a todo instante, se necessário, até com palavras. Entretanto, o melhor testemunho certamente virá por meio daquilo que comunicamos em silêncio, através da nossa própria vida. Seja onde estivermos, seja qual for o nosso papel neste mundo: o milagre que um dia nos converteu a Cristo também nos fez missionários do cotidiano. Buscar cada vez mais a santidade e a comunhão com o Pai é a batalha permanente de todos nós. Portanto, o nosso trabalho se torna não simplesmente uma forma de sustento, mas sim uma oportunidade de proclamarmos as maravilhas de Deus em nós. Se pudesse, gostaria de ter muito mais tempo. Mais tempo para realizar com maior destreza meu serviço, mais tempo com meus amados, mais tempo lendo a Bíblia, ouvindo as músicas que elevam, conversando com mais pessoas e conhecendo mais do outro. Tempo com trabalhos de amor: falar do Pai a um colega, dar o ombro a quem chora, brincar com uma criança, segurar a mão de alguém que morre. Tudo isto custa tempo. E o tempo urge. Um tempo que a sociedade contemporânea deveria economizar com suas máquinas modernas, mas que se perde em dobro por causa das ambições. E quando percebemos que muitas vezes não somos donos do nosso próprio tempo, ou que o desperdiçamos com o que não edifica, aí sim nos damos conta da sua preciosidade. E da tremenda importância de aproveitarmos bem o tempo empregado em toda e qualquer atividade, transformando-as em maneiras diferentes de amar o próximo, servir a humanidade e a Deus, pregar com nosso testemunho o Evangelho. Percebendo, então, que não foi um tempo perdido, prosseguimos na certeza de que Cristo pagou na cruz preço inigualável para que, no ocaso de nossa vida terrena, tenhamos o maior e melhor dos tempos… por toda a eternidade.